Perguntas mais Frequentes

Q: Quando eu devo escolher a) A câmara de intemperismo acelerado QUV vs. b) a câmara de exposição acelerada a luz arco de xenon Q-SUN vs. c) Teste de intemperismo natural Q-Lab?

  1. QUV
    • A câmara de teste de intemperismo QUV é rápida e econômica. As lâmpadas de UV fornecem uma melhor simulação do UV solar. No entanto, a QUV não performa os comprimentos de onda longa necessários para testar certos tipos de materiais.
    • Onda curta de UV: A câmara de teste QUV proporciona a melhor simulação possível da luz solar na região de onda curta de UV, fazendo ser ideal para testes de durabilidade de materiais como revestimentos, telhados e plásticos. Suas lâmpadas fluorescentes UV têm espectro estável, melhorando a reprodutibilidade e a repetibilidade.
    • Condensação: O sistema de condensação da câmara QUV (100% Umidade Relativa) é a mais realista aceleração da agressão da umidade externa. A penetração da umidade pode causar danos como bolhas nas pinturas.
  2. Q-SUN
    • A câmara de teste de arco de xênon reproduz o espectro total da luz solar, incluindo UV, visível e infravermelho. É especialmente útil para os corantes de ensaio, pigmentos, tecidos, tintas gráficas e materiais de interiores. No entanto, os arcos de xênon são inerentemente menos estáveis que as lâmpadas fluorescentes e o spray de água é menos realista que  o ciclo de condensação da câmara de teste QUV.
    • Total espectro da luz solar: As lâmpadas de arco de xênon produzem o espectro total da luz solar. Com os filtros ópticos, a câmara Q-SUN pode reproduzir as condições de exposição à luz do dia e à luz solar atrás de uma janela de vidro.
    • Umidade e orvalho: a câmara de teste Q-SUN é excelente para testar a estabilidade a luz em materiais sensíveis a umidade como tecidos, tintas gráficas, cosméticos e farmacêuticos. Com propriedades de umidade superior residentes, é também a única câmara de xênon adequada para acelerar os testes de ácido entalhado “Jacksonville” no clearcoat automotivo.
  3. Testes ao ar livre Q-Lab
    • Q-Lab Arizona e Flórida representam os padrões mundiais para luz solar e umidade. Eles permitem a previsão mais realista do desempenho do produto. Enquanto algumas exposições de testes podem levar anos para serem completadas, existem técnicas que podem ser usadas para ganhar dados úteis a curto prazo.
    • Intemperismo Natural na Flórida: Exposição subtropical na Flórida tem luz solar abundante, altas temperaturas e muita umidade. A maioria dos materiais deve ser submetida a exposições naturais de referência da Flórida. Ainda que testes naturais possam levar meses ou anos para se completarem, os resultados são mais realistas, e fornecem dados de referencia para testes acelerados.
    • Intemperismo Natural no Arizona: o deserto do Arizona expõe falta de umidade, mas tem ainda mais luz solar UV do que na Flórida e temperaturas extremas e flutuantes que podem causar choque térmico.
    • Concentrador de Luz Solar Natural Q-TRAC: Em apenas um ano, as amostras podem receber a mesma quantidade de luz solar que 5 anos na Flórida.

Q: Quantas horas em uma câmara de Teste de Xênon Q-SUN ou câmara de intemperismo QUV equivalem a um ano de exposição ao ar livre?

Essa é uma pergunta simples, mas infelizmente não tem uma resposta simples. É teoricamente impossível ter apenas um único numero mágico que você possa multiplicar por horas de exposição em uma câmara de intemperismo para computar os anos de exposição ao ar livre. O problema não é que nós ainda não desenvolvemos a câmara de testes perfeita. Não importa o quão sofisticado ou cara você faça sua câmara de testes, você ainda não encontrará um fator mágico. O maior problema é a variação inerente e complexa das situações de exposição ao ar livre. A relação entre a exposição em uma câmara e a exposição ao ar livre depende do número de variáveis, incluindo:

  • A latitude geográfica do local de exposição (quando mais perto da linha do Equador, significa maior quantidade de UV).
  • Altitude (quanto maior, mais UV).
  • Características geográficas locais, como vento para secar as amostras de testes, ou proximidade de um corpo de água para promover a formação de orvalho.
  • Aleatórias variações no clima de ano para ano, das quais podem causar degradação para variar tanto quanto 2:1 em anos sucessivos no mesmo local.
  • Variações sazonais (por exemplo: exposição ao vento deve ser somente 1/7 tão severa quanto a exposição no verão)
  • Orientação das amostras (5° Sul, vs. Norte vertical).
  • Amostra de isolamento (amostras ao ar livre com apoio isolado muitas vezes degradam 50% mais rápidas que as amostras não isoladas).
  • Ciclo de operação da câmara de teste (horas de luz e horas de umidade).
  • Temperaturas de operação da câmara de teste (quanto mais quente é mais rápido).
  • O material em si a ser testado
  • O Poder de Distribuição Espectral da fonte de luz do laboratório.

Obviamente, é logicamente sem sentido falar de um fator de conversão entre horas de teste de intemperismo acelerado e meses de exposição natural. Uma delas é uma condição constante, enquanto a outra é variável. Buscar por um fator de conversão requer empurrar os dados para além dos limites de sua validade.

Em outras palavras: Dados de intemperismo são dados comparativos. No entanto, você ainda pode obter excelentes dados de durabilidade através dos testes de intemperismo acelerado. Mas você deve ter em mente que os dados obtidos são comparativos, não dados absolutos. O máximo que você pode pedir ao seu laboratório de intemperismo são indicações confiáveis da classificação relativa da durabilidade de um material comparado a outros materiais. Na verdade, a mesma coisa pode ser dita sobre os testes de exposição na Flórida. Ninguém sabe o quanto um ano de uma exposição ao ar livre de uma “caixa preta” a 5º sul se compara a um ano em casa ou em um carro. Mesmo testes ao ar livre dão a você somente indicações relativas da vida real do serviço.

Dados comparativos, no entanto, podem ser muito poderosos. Por exemplo, você pode achar que uma formulação ligeiramente alterada tem duas vezes mais durabilidade do que seu material padrão. Ou você pode achar que entre vários fornecedores oferecendo o que possa parecer materiais idênticos, alguns podem falhar muito rapidamente, a maioria falha em médio prazo, e poucos falham somente depois de um longo tempo de exposição. Ou você pode achar que uma formulação mais barata equivale a durabilidade do seu material padrão e te dá uma performance aceitável por, digamos 5 anos, do serviço atual.

Aqui é um bom exemplo do poder de um dado comparativo. Um fabricante de revestimento estava desenvolvendo um novo tipo de clear coating. Inicialmente os testes QUV causaram uma quebra grave em 200 a 400 horas. Isso é muito mais cedo do que os revestimentos convencionais usados para o mesmo propósito. No entanto, depois de 3 anos de reformulação contínua e refazendo os testes na câmara QUV, o revestimento foi melhorado de forma que aquelas várias formulações pudessem suportar de 2000 a 4000 horas na câmara QUV – muito melhor do que os revestimentos convencionais. Testes paralelos posteriormente na Flórida mostraram um aumento similar de 10:1 na durabilidade. Porém, se os químicos de revestimento estivessem esperado pelos resultados da Flórida para poderem mudar suas formulações, eles ainda estariam nos primeiros estágios da reformulação, e o revestimento não teria o sucesso comercial que tem agora.

Por outro lado, se você ainda insiste numa regra aproximada para o fator de conversão, ache-o de forma empírica. Apesar da impossibilidade de um fator de conversão universal, centenas de laboratório têm desenvolvido sua própria regra para converter as horas de testes da Q-SUN e QUV em horas de exposição ao ar livre. No entanto, é importante lembrar que essas regras foram desenvolvidas de comparações empíricas de seus próprios testes acelerados de laboratório com seus próprios testes de exposição ao ar livre. No mais, as regras práticas (ou de aproximação) para conversões são válidas somente para:

  • O material específico testado.
  • O conjunto especifico do tempo de ciclo e temperatura da câmara do laboratório
  • O campo de exposição natural específico e o procedimento de montagem da amostra.

Se você tem experiências em testes de exposição natural com seus materiais, não deve levar mais do que alguns meses para desenvolver sua própria regra. Se você não tem experiências com seus materiais, é possível ter que trabalhar com materiais competitivos que tenham um histórico de serviço ao ar livre.

Muitos laboratórios têm desenvolvido com sucesso a sua própria 'regra de ouro' para converter Q-sol ou QUV testador horas em horas de exposição.

Em adição, é importante lembrar: “correlação” quer dizer “Correlação de classificação”. Quando alguém pergunta, “Como câmaras de testes acelerados se correlacionam com testes ao ar livre?” o que eles realmente deveriam perguntar é “Quão bem eles fazem as classificações da durabilidade dos materiais nas câmaras de testes acelerados duplicarem as classificações dos materiais ao ar livre?” Para mensurar a classificação de correlação, recomendamos o coeficiente de correlação de postos de Speraman, uma medida estatística que é fácil de calcular e que não exige fortes hipóteses sobre os dados que são necessários para as medidas de correlação linear. Um estudo da câmara QUV e Flórida para classificar durabilidade de 27 revestimentos automotivos forneceram uma classificação de correlação de até .89 entre as classificações da câmara QUV e as classificações da Flórida. A correlação de ordem entre as diferentes exposições na Flórida era de .88 à .95. Em outras palavras, a câmara QUV pode reproduzir a ordem Flórida quase tão bem quanto a própria Flórida.

Veja o Boletim Técnico LU-0833 para maiores informações.

Q: Quantos Langleys ou joules ou Watts/m² as câmaras Q-SUN e QUV produzem?

Esta questão parece simples, mas é baseada em algumas suposições erradas. Geralmente a pessoa que pergunta pretende tomar a luz de saída das câmaras (expressada em Langleys, joules ou Watts/m2) e dividi-la pela intensidade da luz solar externa para obter o fator mágico para conversão de horas de exposição de testes acelerados em anos de exposição natural. Infelizmente, não há nenhum método matemático válido para fazer tal calculo, uma vez que contraria os princípios básicos do teste de intemperismo acelerado. (Sem mencionar que, por definição, Langleys se refere somente ao sol e nenhuma outra fonte de luz.) O resultado de tal calculo é na melhor das hipóteses sem sentido, e na pior das hipóteses é totalmente enganoso.

Uma razão para que este cálculo seja invalido é que ele ignora o efeito do comprimento de onda. O que  determina o total de foto degradação não é a dosagem total de luz em joules, mas ao invés disso, como estes joules são distribuídos em respeito ao comprimento de onda. Um joule e luz UV (comprimento de onda curto), por exemplo, pode ser mais prejudicial que um joule da luz visível ou luz infravermelha (comprimento de onda longo), dependendo do material que você está testando.

Além disso, a quantidade de UV na luz solar varia um pouco, o que pode ter um tremendo efeito no intemperismo das amostras. Langleys e Joules não refletem as grandes diferenças de UV solar que ocorrem de estação para estação, dia a dia, na verdade, a cada hora. Por esta razão, um número de estudos tem mostrado em sucessivos testes ao ar livre onde replicam amostras recebidas na mesma exposição em Langleys, a variação pode ser de 7:1 no total dos danos produzidos. Em outras palavras, Langley é muito inconsistente para ser usado como padrão de medida de uma exposição ao ar livre. A conclusão é clara: Langley pode ter usos válidos, mas certamente não no campo de intemperismo em laboratórios.

Mesmo uma medida de Total UV (TUV), como “Langley UV” ou “Joule UV” podem ser mal interpretados pelas mesmas razões aplicáveis: dentre o UV, comprimentos de onda curtos geralmente causam degradação mais rápido em materiais duráveis.

Aqui está um exemplo de conclusões erradas que você pode ter usando Langlyes, joules ou até mesmo TUV para avaliar câmaras de intemperismo acelerado. A câmara QUV pode usar dois tipos de lâmpadas: lâmpada UV-A com um pico de emissão no comprimento de onda de 340nm, ou lâmpada UV-B com pico em 313nm. As lâmpadas UV-A produzem mais joules (e mais joules UV) que as lâmpadas UV-B, então não seria razoável deduzir que as lâmpadas UV-A produzem uma degradação mais rapidamente? Nem sempre. Muitos materiais degradarão de forma mais lenta com lâmpadas UV-A porque o UV que eles produzem é o de comprimento de onda de UV mais longo. Na câmara Q-SUN, você encontrará as mesmas variações dependendo do filtro utilizado

Outro motivo pelo qual você não pode comparar a intensidade de luz das câmaras Q-SUN e QUV com a luz solar é que este procedimento ignora completamente o efeito da umidade. Nós descobrimos que para muitos materiais, os efeitos da chuva e do orvalho são mais importantes que os efeitos da luz solar. Isso é freqüentemente verdadeiro para fenômenos como perda de brilho e alteração da cor, no qual algumas vezes são considerados alterações induzidas pelo UV. Se você não levar em conta a umidade, você provavelmente não conseguirá um fator mágico de conversão.

Finalmente, o cálculo da conversão baseado na intensidade da luz é inválido porque ele ignora o efeito da temperatura. É possível escolher uma diversa variedade de temperatura em uma câmara de intemperismo acelerado, e é possível ter diversas temperaturas na exposição ao ar livre. A temperatura tem um efeito profundo na velocidade da foto degradação. Nós observamos em nossas câmaras de testes que em alguns casos um aumento de 10°C na temperatura da câmara pode duplicar a velocidade de degradação.

Para mais informações, veja o Boletim Técnico LU-8030 da Q-Lab Corporation, Erros causados por usar Joules no tempo de exposição dos testes de laboratório e ao ar livre.

Q: Por que devo fazer testes de intemperismo ou estabilidade à luz? Qual é o meu retorno (ROI)?

O grade retorno de investimento em testes de intemperismo e estabilidade à luz: Quase sempre testes de intemperismo e estabilidade à luz trazem grandes retorno de investimento. Aqui estão alguns dos retornos que você pode obter a partir de um esforço relativamente modesto em testes.

Catástrofes evitadas: um novo produto ou reformulação de produto podem falhar muito rapidamente quando se trata de luz solar e clima. A melhor forma de se prevenir é testar antes de introduzir o produto. Mesmo produtos já estabelecidos podem falhar se um lote de produção está incorreto ou se algum componente do material não está em bom estado. Qual é o custo de um recall de um novo produto ou de um lote de produção que falhou de forma catastrófica em campo?

Grandes economias no custo do material: talvez seu produto possa ser tão durável quanto  ele é com materiais menos caros – por exemplo, um pigmento de custo mais baixo, ou o mesmo pigmento de um fornecedor que custe mais barato. Talvez você possa ter a mesma performance se usar menos aditivo ou um aditivo mais barato. Ou talvez um polímero totalmente novo possa reduzir seu custo sem afetar a durabilidade. A única maneira de saber é testar. Quanto 1% de economia no custo do material vale? E quanto a 5% ou 10%?

Entrada em novos mercados: para entrar em um novo Mercado você precisa conhecer as expectativas dos clientes quanto a durabilidade. Você pode acreditar que seu produto tem a durabilidade esperada ou você pode testar isso. Se você achar que a durabilidade de seu produto precisa de um melhor desenvolvimento, você pode testar para melhorar isso. Você pode re-desenhar e re-testar até que tenha a durabilidade requerida para abordar o mercado. Qual é o valor que se paga para estar apto a entrar em um novo mercado?

Expandir produtos existentes: mesmo uma pequena mudança no produto, como uma nova cor, pode fazer uma enorme diferença na estabilidade à luz. Para tomar vantagem dessas pequenas alterações que fazem grande diferença em uma linha de produto, você precisa avaliar a durabilidade com testes. Quão valioso é expandir a sua linha de produtos, sem comprometer a durabilidade?

Melhorar a durabilidade do produto: freqüentemente pequenas mudanças no material podem trazer grandes melhorias em durabilidade. Com freqüência nossos clientes fazer melhorias dramáticas em durabilidade sem aumentar os custos. A única maneira de fazer isso é testando diferentes materiais e combinações de materiais. Quanto vale um produto mais durável?

Redução de chamadas de garantia: O quanto chamadas de garantia lhe custam? O quanto você poderia economizar reduzindo a taxa de chamadas de garantia?

Verificar os requerimentos do fornecedor: cada um de seus fornecedores acredita piamente que eles têm a melhor combinação de custo e durabilidade. E cada um deles está provavelmente certo – em algum conjunto de circunstância. Como você sabe se o que é suficientemente bom para seu fornecedor é bom pra o suficiente para você? Para descobrir qual fornecedor é certo para um requerimento em particular, você precisa testar seus fornecedores de ponta a ponta, em seu próprio laboratório ou em um terceiro, como a Q-Lab.

Aumentar o Market Share: um produto mais durável pode expandir seu market share a custo de seus concorrentes. No entanto, você não pode desenvolver uma melhor durabilidade a menos que você teste a durabilidade.

Esteja à frente do regulamento do governo: regulamentações de ambiente e segurança tornam cada vez mais caro as matérias-primas. E a cada ano, cada vez mais materiais se tornam restritos. Materiais redesenhados de forma Eco-friendly é agora um estilo de vida. Alguns desses novos materiais não terão a durabilidade comprometida, mas alguns sim. O único jeito de ter certeza é testar. Quanto você pode economizar optando por materiais que ignoram os onerosos regulamentos? Quanto lhe custaria se uma nova regulação te forçasse a substituir um material de baixa durabilidade ou um material de alto custo?

Ultrapasse a concorrência: o ritmo de inovação em materiais continua cada vez mais rápido. Materiais melhores e mais baratos são lançados a cada dia. Se você não tirar vantagem deles, alguém o fará. A única maneira de avaliar estes materiais é testando eles. Quanto vale tirar vantagens de novos materiais antes que seus concorrentes façam? Qual é o custo deste jogo de se atualizar? 

Melhore sua reputação: os produtos que você vende agora irão afetar tua reputação no futuro. A falha de campo precoce pode lhe assombrar nos anos seguintes. Por outro lado, produtos com uma durabilidade consistente atuará como propaganda de sua qualidade durante o tempo. Um investimento em teste de durabilidade pode proteger e melhorar sua reputação com poucos investimentos. Quanto vale seu nome para você?

Certifique-se da conformidade com padrões de durabilidade: alguns clientes requerem alguns dados de teste de estabilidade a luz como uma pré condição para comprar seu produto. Neste caso, você não pode vendar, até que você produza os testes em seu laboratório ou até mesmo contratando um laboratório independente.

Q: Eu nunca fiz teste de intemperismo antes, mas eu acho que eu quero enviar algumas amostras para teste, o que devo fazer?

Se você está quase pronto para fazer algum teste, mas nunca fez isso antes e não está certo de como o processo funciona, não se preocupe, é bem simples. Há algumas coisas importantes para lembrar para fazer isso de forma mais fácil e rápida.

O primeiro passo é nos contatar, e tanto telegone ou email funciona da mesma forma como um primeiro Contato. O melhor numero para ligar para um novo serviço é nosso contato Flórida +1 (305) 245-5600 e a atendente saberá que você quer falar sobre um novo teste. Se você nos escrever no email q-lab@q-lab.com e nos pedir para te ligar, por favor, inclua algumas informações que irão nos ajudar a se preparar para lhe atender.

  • Qual é o seu produto e de que material ele é feito.
  • Qual é a aplicação final e onde é esperado que ele seja usado.
  • Qual é a durabilidade mínima e quais são as falhas esperadas.
  • Quais são seus objetivos com o teste.

Um de nossos funcionários de serviços ao cliente irá lhe contatar ou falar com você diretamente, nossa meta é determinar qual o melhor método de teste para sua necessidade. Durante a conversão nós iremos lhe fazer algumas perguntas como:

  • Você está testando para atender a alguma norma ou testar a durabilidade
  • Qual o seu budget para o teste
  • O que você precisa aprender/extrair do teste
  • Qual o tempo que você tem

Nós iremos então verificar as opções disponíveis para teste acelerado e ao ar livre, e juntos nós vamos chegar ao acordo de qual é o teste de intemperismo que melhor lhe convém. Nós vamos chegar a um acordo nos específicos itens:

  • Método de teste a usar, tipo de exposição
  • Quantidade de amostras para testar
  • As dimensões das amostras e sua adequação para os testes
  • O tipo e a freqüência das avaliações e medidas
  • A duração total da exposição e se remoções provisórias serão necessárias
  • Como o teste será pago

Uma vez que tenhamos tudo isso, alguém na Q-Lab irá preparar o custo estimado, o qual inclui todos os parâmetros de teste. Isso irá confirmar o teste que nós faremos e te dará uma idéia do custo envolvido. Se necessário, você poderá nos contatar novamente e revisar o programa de testes. Nós iremos emitir uma revisão do custo estimado para avaliação da exposição.

Quando estivermos todos de acordo com o programa de testes e os custos forem aceitáveis, nós devemos então seguir em frente e enviar as amostras para Q-Lab. Normalmente, você pode enviar suas amostras diretamente para o local que o teste será feito. Há alguns itens que precisam ser inclusos na caixa de amostras, ou você pode providenciá-los de forma separada. Nós precisamos de um pedido de compra e uma lista das amostras a serem testadas. Não podemos dar inicio no processo sem o pedido de compras ou um pré-pagamento dos testes. Nós também precisaremos de uma lista completa de identificação, preferencialmente em uma planilha, assim podemos transferir as etiquetas diretamente para nosso sistema. Isso agiliza o processo como um todo e reduz a chance de erros. Se você nos enviar as informações de testes separadamente, por favor, coloque uma carta ou nota na caixa, assim podemos relacionar as amostras com o pedido.

O processo de programar o teste é conhecido por “checking in”, e nós poderemos lhe contatar durante esta fase se alguma informação estiver faltando. Nossa meta é ter todas as amostras expostas o quanto antes após a chegada das mesmas, todas as informações necessárias e pedido de compras. Uma vez que as amostras estiverem expostas, você receberá um email com seu usuário e senha para acessar nosso website para clientes  www.myweathertest.com  Você poderá obter todas as documentações e relatórios do teste a partir deste website.

Caso você tenha alguma pergunta durante a programação do seu teste, você poderá ligar para nosso Serviço ao Cliente na Flórida, Arizona, Ohio ou Alemanha. Uma vez que o teste tenha começado você poderá contatar ou seu contato de serviço oi falar diretamente com os técnicos do laboratório que estão fazendo o teste. 

Se você tem algum comentário sobre nosso service, por favor, nos informe. Ou você poderá usar o recurso de comentários de atendimento ao cliente em nosso website.

 

FAQ's

Produtos FAQ's


Contate-nos

  1.  

Números de telefone Q-Lab

USA: +1-440-835-8700
Florida & Arizona Serviço de Teste: +1-305-245-5600
UK/Europe: +44-1204-861616
Alemanha: +49-681-857470
China: +86-21-5879-7970

 
View Full Site